Antologia de poemas de Miguel Torga by José Ribeiro Ferreira

By José Ribeiro Ferreira

Show description

Read or Download Antologia de poemas de Miguel Torga PDF

Best nonfiction_5 books

Dark Heart Rising (Dark Heart Forever)

Jane and Luca's tale maintains . .. yet no longer particularly as that they had deliberate. whilst demanding situations and threats from the immortal global of Nissilum rip the younger fanatics aside, Jane is bereft. with no Luca's dancing eco-friendly eyes, and delicate smile, Jane feels misplaced, unhappy and on my own. yet then a visit to Paris together with her grandmother thrusts her within the direction of the amiable Soren - a kindred spirit who can be simply the distraction she wishes .

Additional resources for Antologia de poemas de Miguel Torga

Sample text

Miguel Torga, Poemas Ibéricos (Coimbra, 1965) Poesia Completa (Dom Quixote, 2000), p. 705. 37 Camões Nem tenho versos, cedro desmedido Da pequena floresta portuguesa! Nem tenho versos, de tão comovido Que fico a olhar de longe tal grandeza. Quem te pode cantar, depois do Canto Que deste à pátria, que to não merece? O sol da inspiração que acendo e que levanto, Chega aos teus pés e como que arrefece. Chamar-te génio é justo, mas é pouco. Chamar-te herói, é dar-te um só poder. Poeta de um império que era louco, Foste louco a cantar e louco a combater.

Longo foi o caminho e desmedidos Os sonhos que nele tive. Mas ninguém vive Contra as leis do destino. E o destino não quis Que eu me cumprisse como porfiei, E caísse de pé, num desafio. Rio feliz a ir de encontro ao mar Desaguar, E, em largo oceano, eternizar O seu esplendor torrencial de rio. Miguel Torga, Diário XVI (Coimbra, 1993) Poesia Completa (Dom Quixote, 2000), p. 965. 43 Natal Velho Menino-Deus que me vens ver Quando o ano passou e as dores passaram: Sim, pedi-te o brinquedo, e queria-o ter, Mas quando as minhas dores o desejaram...

32 S. Leonardo de Galafura À proa de um navio de penedos, A navegar num doce mar de mosto, Capitão no seu posto De comando, S. Leonardo vai sulcando As ondas Da eternidade, Sem pressa de chegar ao seu destino. Ancorado e feliz no cais humano, É num antecipado desengano Que ruma em direcção ao cais divino. Lá não terá socalcos Nem vinhedos Na menina dos olhos deslumbrados; Doiros desaguados Serão charcos de luz Envelhecida; Rasos, todos os montes Deixarão prolongar os horizontes Até onde se extinga a cor da vida.

Download PDF sample

Rated 4.37 of 5 – based on 32 votes